No Espelho, espelho meu de hoje, apresento à vocês meu amigo Johnny. Sem dúvida um exemplo de superação a ser seguido!

“Olá Loris e galera, meu nome é João Romano , tenho 29 anos , sou natural de Campos-RJ e trabalho com Mergulho Profissional.

IMG-20140225-WA0056

Amigo de Johnny e ele à direita.

 Tudo começou no final do ano de 2011, período em que oscilava entre 106, 110 quilos (lembrando que tenho 1,77 de altura). Minha alimentação nessa época estava totalmente fora dos padrões, bem nos moldes American Boy, comendo fast foods em diversas horas do dia. E não parava por aí, pois também bebia demasiadamente, principalmente aos finais de semana, onde a entrega ao vício era total!! 

jonhgordinho

Johnny antes.

A falta de hábitos alimentares saudáveis, bem como o vício do álcool, trouxe diversas complicações a minha saúde, tais como pressão alta, colesterol alto, assim como piorou a minha taxa de acido úrico que já é alta.  Semestralmente, faço exames periódicos para a empresa para qual trabalho com a finalidade de se aferir a aptidão para o exercício das minhas atividades laborativas. Para a minha surpresa, fui informado que estava inapto. Na ocasião, fui aconselhado pelo médico da empresa a mudar os hábitos, que, supostamente, estariam causando malefícios para a minha saúde. Foi um

momento difícil, pois me senti muito desmotivado e infeliz. Ademais, estava num momento afetivo complicado e a confiança no trabalho estava em baixa. O somatório de todos os fatos despertou em mim um medo além do normal de exercer as minhas atividades. Cabe dizer que o medo é um sentimento natural e necessário na vida de qualquer ser humano, o que não difere do mergulho. Mas, quando o medo deixa de ser um sentimento primário (como amor e raiva) e se torna algo mais complexo, a atividade fica totalmente prejudicada, uma vez que os riscos intrínsecos a ela tendem a aumentar. “ Não é Coragem se não tiver medo!”

No final desse mesmo ano, me reuni com amigos e primos em uma praia do Espírito Santo para comemorar a entrada do ano novo. Percebi que todos ao meu redor estavam muito bem fisicamente, exibindo seus corpos bonitos de verão. Essa atmosfera de beleza e culto ao corpo acabou me contaminando. No dia 1º de janeiro, assim que finalizamos as festividades, descobri que a minha vida precisava dar uma guinada para que pudesse estar bem comigo mesmo novamente, e, consequentemente, resgatar minha autoconfiança no trabalho e a saúde. Entendi que essa era a única forma de estar apto ao meu trabalho de mergulho com mais agilidade e voltar aos esportes que sempre me motivaram a ter uma maior qualidade de vida, como correr e o bodyboard.

IMG-20140222-WA0001Na primeira semana eu comecei a correr por conta própria todos os dias. Eliminei os maus hábitos à mesa e iniciei uma dieta de baixo carboidrato sem orientação profissional. Nessa mesma semana eu conheci um pré-treino, meu primeiro suplemento. Essa foi a primeira porta que me transportou para um outro mundo! Eu sentia muita disposição e não me cansava.

Comecei, então, a correr e treinar todos os dias depois do trabalho. Em três semanas obtive um resultado muito bom, pois dos 110 quilos a balança passou a marcar 95. Os primeiros resultados me entusiasmaram bastante. Entrei de férias do trabalho no final de janeiro e fui para Campos encontrar a minha família para revigorar as minhas energias.

Seguia a dieta de segunda a sexta, mas aos finais de semana eu voltava aos maus hábitos alimentares, inclusive com a bebida alcoólica. E isso ocorria até final da noite de domingo. Era um paradoxo porque eu percebia que progredia durante a semana e punha tudo a perder no fim de semana.

Johnny no trabalho como mergulhador.

Johnny no trabalho como mergulhador.

A velha e boa balança que marcava 89 quilos de segunda a sexta, se tornava um “algoz” na segunda-feira, marcando 92 kg. Fiz isso por 4 semanas, até o fim das férias e do carnaval. Retomei as minhas atividades profissionais, porém sem perder o foco.O meu desejo era ter um abdômen definido, e enquanto não conseguisse alcançar a minha meta, não descansaria. Passei a fazer a dieta de segunda a segunda, e em apenas duas semanas consegui chegar ao meu objetivo, atingindo os 80kg. No dia 1º de março comecei a ver um desenho do abdômen que eu tanto almejava, o que foi muito bom.

Assim que atingi o meu objetivo comecei a buscar informações no intuito de manter os meus resultados físicos. No início sentia minha pele um pouco flácida, o que não me importava. Com o tempo fui ganhando massa muscular e a pele se reacomodou. No decorrer dessa busca de conhecimento acerca dos suplementos alimentares eu conheci o whey protein. Iniciei o uso administrando uma dose no pós-treino, e, em paralelo, fui aconselhado por amigos que também me passavam treinos e aumentar a quantidade de proteína nas refeições. Resolvi reduzir o aeróbio e passei a dar mais ênfase aos treinos de musculação.

Avô

Avô e Johnny ainda pequeno.

No início de Maio perdi meu avô João, que era uma pessoa muito especial. Foi ele quem me ensinou a nadar e a ter toda a intimidade com a água, e, principalmente, a ser quem sou hoje. Meu avô era um homem muito grande e forte, e nadava muito. Comia e bebia muito, o que lhe causou uma série de malefícios, resultando no seu falecimento. A perda do meu avô me motivou a seguir adiante nos meus propósitos.

O interesse pela dieta e pelos treinos foi se tornando cada vez maior. Em novembro, conheci o Presidente da IFBB/RJ, Gustavo Costa, na cantina de onde treinava. Após os elogios, fui convidado a participar de um campeonato de fisiculturismo, em uma nova categoria denominada Men´s Physique. O grande detalhe é que naquele momento não sabia de quem se tratava! Enquanto refletia sobre o convite, passava-se um filme na minha cabeça, onde o protagonista era um cara gordo que pesava 110kg, que, após nove meses de trabalho, no qual a disciplina e dedicação eram os componentes mais importantes envolvidos, foi convidado a participar de um evento esportivo, onde os melhores corpos são analisados e comparados nos mínimos detalhes em cima de um tablado. Eu tinha apenas um mês para ficar pronto! Apesar de não ter me preparado corretamente e do nervosismo que tomou conta de mim, obtive a 5º colocação.

O campeonato foi um marco importante nessa nova fase de vida. Iniciei outras preparações, busquei ajuda profissional de diversas áreas, passei a suplementar melhor, descobri a velha rotina do frango com batata doce dos fisiculturistas, enfim as coisas tomavam um contorno mais concreto.

Eu atribuo essa vontade enorme de superar os meus limites ao meu trabalho. O mergulho é uma atividade que exige muito amor e entrega, pois vivemos sob tensão constante. Eu e os meus colegas usamos muito o bordão:  ‘Vamos Querer?’, afinal para que a dedicação seja plena é necessário querer, assim como em tudo na vida.

Participei de mais dois campeonatos, obtendo boas colocações. Atualmente, estou me preparando para o campeonato carioca, em junho. Pretendo seguir adiante, mas principalmente tendo a consciência de que uma vida saudável começa pela alimentação!”

E aí pessoal, que história a do Johnny, hein? Depois dessa experiência do pedacinho da história dele só me resta perguntar:

Vamos Querer? E abaixo uma das várias músicas que motivam os treinos de João Romano!

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=V8DzY2gNMrQ]