Não existe receita de bolo, a verdade é que olhamos muito os exemplos de sucesso e tentamos muitas vezes reproduzir sem obter a mesma resposta satisfatória.  Algumas dicas podem ajudar, mas são inúmeros os fatores que levam pais e filhos a agirem de formas diferente.

1- Adequar os horários de sono da criança. Criança que é levada para seu novo quarto para dormir sem que esteja sentindo sono provavelmente vai fazer todas as manobras possíveis para conseguir o contrário.

2- Preparar a criança para dormir. Para que o corpo perceba que é hora de dormir, é preciso retirar gradualmente estímulos que nos mantém acordados como barulho e luminosidade excessiva.

3- Menos brincadeiras e mais histórias. As brincadeiras noturnas devem ser de pouca estimulação motora e bastante afetividade. Histórias infantis quando contadas pelos pais ou cuidador, não apenas auxiliam para o desenvolvimento do hábito da leitura e da criatividade, como também proporciona o relaxamento motor e a indução do sono.

4- Visitas ao quarto durante o dia. É importante que a criança reconheça o seu quarto como sendo um ambiente seu, relativo ao seu íntimo. Permitir que a criança auxilie na decoração ou na escolha da decoração do seu quarto, que ela aprenda a arrumar sua cama, ainda que não perfeitamente, escolha seus bichinhos preferidos para habitar seu quarto, pendure seus desenhos – suas obras de arte – e retire alguns brinquedos ou objetos que podem lhe causar medos.

5- Desmistificar alguns medos. Além de conversar com seu filho, é importante andar com ele pelo quarto, abrir o guarda-roupa e as gavetas, olhar debaixo da cama e todo canto do quarto para que ele compreenda que o medo não está relacionado com o ambiente, pois o mesmo não é ameaçador.

Caso realmente papais e mamães tenham intenção de tal mudança de hábito junto aos filhos e as dicas não surtirem efeito, consultar um psicólogo para avaliar melhor o caso e formular uma estratégia é a minha dica final. Um abraço!