Sabia que existe tendinite de glúteo ?

A incidência desse tipo de tendinopatia aumentou bastante nos últimos tempos, devido a um grande aumento da prática de corrida, mesmo que o esporte não seja necessariamente o vilão dessa história. Pode-se dizer que esse tipo de lesão tem mais incidência através da forma que a corrida se apresenta em uma estrutura corporal já com disfunções.

A tendinopatia do glúteo médio é conhecida como uma das fontes de dor da chamada Síndrome Dolorosa do Trocânter Maior (tuberosidade localizada na parte superior do fêmur), pois a dor parte dessa região, onde está a inserção do músculo do glúteo médio.

Todas as disfunçgluteo 1ões no quadril e na coluna lombar devem ser investigadas. Primeiramente, deve-se descartar algum caso de comprometimento ósseo ou mesmo articular. A obliqüidade pélvica muitas vezes acusa uma desigualdade de membros inferiores e é interessante investigar essa situação.

Segundo métodos globais, a questão do comprimento dos membros vem de disfunções no âmbito visceral que repercutem na anterioridade e posterioridade dos ilíacos e sacro, resultando em uma falsa desigualdade de membros. Quando o quadril em disfunção é submetido a um esporte de impacto e repetição, como a corrida ou mesmo períodos em imobilidade, como em trabalhos que exijam que o quadril fique paralisado, o resultado pode ser uma tendinite de glúteo médio.

Existem situações na corrida que aumentam a demanda abdutora, como em pisos inclinados lateralmente, devido à força centrífuga e à direção anti-horária, que sobrecarregam mais os abdutores do lado direito.

Bursite-

Testes para identificação da tendinopatia do glúteo médio:

1 – Sustentação do ortostatismo em apoio unipodal durante 30 segundos. O sinal positivo se dá quando ocorre dor no lado acometido, se o mesmo estiver em apoio;
2 – Teste de desrotação externa do quadril: paciente em decúbito dorsal, joelho e quadril em flexão de 90 graus. O examinador roda externamente o quadril do paciente e pede uma contração para o sentido oposto.

Prevenção para tendinopatia de glúteo médio:

1 – Evitar iniciar algum tipo de exercício físico sem uma prévia avaliação da estrutura corporal, pois a mesma pode estar com alguma disfunção;
2 – Cuidados com o volume do treinamento. Muito volume e disfunção é o casamento perfeição da lesão;
3 – Evitar passar muito tempo sentado. Caso esteja trabalhando, levantar-se de hora em hora e mobilizar o quadril. Andar um pouco;
4 – Alongamentos para manter um bom comprimento muscular. É necessário para gerar tensão;
5 – Cuidar das vísceras pélvicas, como intestino, ovário etc. A mobilidade visceral é essencial para um quadril harmônico;

Tratamento:

1 – Correção da discrepância de membros com atendimentos de Osteopatia, Fisioterapia e RPG.

2 – Alongamentos desde a planta do pé, passando por todos os membros inferiores e quadril;
3 – Fortalecimento da musculatura do quadril e membros inferiores;
4 – Exercícios de equilíbrio;
5 – Inserir exercícios de impacto de forma gradativa, com pliometria no final do tratamento, antes de voltar à corrida;
6 – Exercícios de mobilidade, como rebolar em pé e rebolar na bola.

 

Sou Dr. Anderson Kirihara, Fisioterapeuta, responsável pela Global Fisio, Clinica de Fisioterapia em Foz do Iguaçu – Pr. Atualmente trabalho ainda com Futebol Profissional na equipe do Foz do Iguaçu Futebol Clube (Primeira divisão Paranaense).

Contato: 45 3524-6647

E-mail: [email protected]

Instagram: @dockirihara