Oi gente! Hoje a gente vai falar um pouquinho sobre as suculentas, vitaminadas, crocantes oleaginosas! Opa, que palavrão é esse?

As frutas (isso mesmo, frutas) oleaginosas são as sementes comestíveis de todas as plantas, como amêndoa, avelã, castanha de caju, castanha-do-pará, macadâmia e nozes, entre outras.

Ricas em nutrientes importantes para nosso corpo como proteínas, fibras, vitamina E, selênio, zinco, cobre e magnésio. Mais da metade de sua composição está na forma de gorduras, mas somente uma pequena quantidade dessa gordura é saturada (“ruim”). A maior parte da gordura presente nas oleaginosas é de “boa” qualidade (ômega 3, 6 e 9), essencial para o bom funcionamento do organismo, auxiliando na redução do colesterol sanguíneo e também do colesterol ruim (LDL).

As nozes são as oleaginosas que apresentam o maior conteúdo de ômega 3 e 6. A avelã é a que contém maior teor de ômega 9 e a castanha-do-pará é a que apresenta maior quantidade de gordura saturada.

Por serem ricas em antioxidantes, as oleaginosas reduzem o risco de desenvolver doenças cardíacas, diabetes e algumas formas de câncer. As frutas oleaginosas, especialmente nozes e avelãs, também são importantes fontes de fitosteróis (substâncias encontradas em plantas e que podem ajudar a diminuir o colesterol).

São ótimas opções para serem consumidas nos lanches da manhã ou da tarde. O ideal é escolher as versões sem sal. Elas também podem ser adicionadas nas saladas, tortas, bolos, pães ou no recheio de massas. Devido ao alto teor calórico, o consumo diário deve ser moderado, limitando-se a poucas unidades, como duas castanhas-do-pará, três nozes, seis castanhas de caju ou 10 avelãs.

Fora que misturando nos bolos de minuto ou biscoitos fit, as castanhas ficam tuuudo de bom!

Abaixo uma tabelinha associando cada uma ao valor calórico:

oleaginosas