Novos estudos apontam caminhos positivos para o uso desta substância. Por outro lado ainda existe certa resistência. Entenda!

A creatina é cercada de polêmicas. Certamente esta é uma das razões para este composto ser tão conhecido pelos praticantes de atividades físicas. Durante cinco anos ela foi proibida no Brasil. Ainda é assim em alguns lugares do mundo, aqui não mais.

O principal ataque ao uso de creatina é em razão de que o corpo já produz e metaboliza tal substancia. Estudos indicam que como o corpo já sintetiza e a ingestão de alimentos como peixes também complementa este quadro, a suplementação seria prejudicial para rins e fígado.

Vegetarianos costumam apresentar um nível mais baixo de creatina. Claro, a opção por este tipo de alimentação é valida. Contudo, é importante a consulta com um médico especialista para elaboração de uma dieta adequada. A medicina esportiva é uma boa opção.

Apesar disso, novas pesquisas norte americanas apontam o caminho reverso. Existe uma corrente que prega que o uso desta substância pode beneficiar em diversos casos o praticante de atividades físicas, especialmente o atleta de alta performance.

Características

A creatinina é composta por três aminoácidos não essenciais. Isso significa que nosso corpo já produz tais substancias, como já foi dito. Eles são: Arginina, Metionina e Glicina.

Na prática, a creatinina funciona como um combustível para a força de explosão. Funciona bem em atividades bem rápidas. Cerca de 30 segundos. Pensando por esta ótica, treinos como o HIIT podem ser beneficiados.

Em treinos mais longos, a substância se mostra ineficaz. Este é um ponto de atenção essencial.

Durante muito tempo a substancia foi ligada aos anabolizantes. Porém existe esta nova tendência apontando para o uso eficaz em atletas como halterofilistas. Calcula-se que a força de explosão melhora o desempenho em até 13%.

Quem consome tal substância altera a dosagem. Mesmo assim em dias de repouso a administração continua com doses mais reduzidas.

Ganho de massa

A respeito do ganho de massa o assunto tem dois lados. A creatina influencia na capacidade do musculo de absorver água. Este aspecto pode trazer uma falsa ideia de hipertrofia.

Por outro lado, a explosão oferecida pelo composto pode ser eficaz nas pequenas rupturas de fibras musculares e reconstrução através dos aminoácidos. Isto significa que pode gerar sim, bons resultados para hipertrofia.

O caminho

Os estudos estão avançando e indicando alterações no que se diz respeito ao que imaginamos desta substância. Alguns apontam benefícios para pacientes que sofrem de atrofia muscular e até efeitos secundários benéficos para o tratamento de diabetes tipo 2.

Porém, é importante ser cauteloso com questões relacionadas à sobrecarga de fígado e, especialmente, rins. Para utilizar de maneira correta e estudada individualmente, consulte sempre a medicina esportiva. Melhores resultados para a hipertrofia muscular podem ser alcançados!