Outubro Rosa é uma campanha de conscientização realizada por diversos entes no mês de outubro dirigida a sociedade e as mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

O movimento começou a surgir em 1990 na primeira Corrida pela Cura, realizada em Nova York, e desde então, promovida anualmente na cidade. Entretanto, somente em 1997 é que entidades das cidades de Yuba e Lodi, também nos Estados Unidos, começaram a promover atividades voltadas ao diagnóstico e prevenção da doença, escolhendo o mês de outubro como epicentro das ações. Hoje o Outubro rosa é realizado em vários lugares.

A maneira mais simples de diagnosticar o câncer de mama (fora os exames médicos que são essenciais) e que deve ser empregada por todas as mulheres é o auto exame!

Para falar um pouco mais sobre o assunto convidei a pessoa mais próxima à mim, minha mãe, que no seu breve relato tenta nos mostrar e reforçar a importância da prevenção!  Vamos acompanhar?

Olá pessoal, tudo bem com vocês? Eu sou Marta Canin, mãe da Loris e vou falar sobre o maior sofrimento, porém grande aprendizado, realmente isso já passou, e foi há pouco mais de dezoito anos!
Eu estava no Japão à trabalho, e como uma vez ao mês sempre fazia auto exame das mamas, percebi um pequeno carocinho bem no mamilo.
O coração na hora disparou, suei frio, pois meses antes tinha ficado sabendo que minha irmã mais velha estava com câncer de mama. Pensei bem e resolvi voltar o quanto antes para o Brasil para vir ao médico e fazer o tratamento aqui. Na primeira semana fiz uma biópsia e infelizmente para alguém que se julgava com ótima saúde, o diagnóstico foi CARCINOMA DUCTAL INFILTRANTE na mama esquerda, ou seja, câncer de mama.
Fiz muitos exames no corpo todo para ver se tinha alguma metástase, (se o câncer tinha invadido outros orgãos) e felizmente não foi  detectado nada. Fui então submetida a uma MASTECTOMIA TOTAL, que é a retirada de toda mama esquerda mais esvaziamento axilar.
Para minha sorte eu descobri que o nódulo  já se tratava de um câncer, mas estava  ainda no início, em todo o material colhido na cirurgia não foi encontrado nada mais. Depois de uns trinta e cinco dias comecei fazer RADIOTERAPIA. Foram vinte e oito sessões ao todo e não foi preciso quimioterapia.
Muito sofrimento, realmente é preciso ter coragem e fé. Me apeguei às minhas orações (sou budista) e assim pude ter o entendimento de que isso tudo fazia parte da minha vida, meditando e recitando  meu mantra ,  o NAN MYOHO RENGUE KYO,  entrei em sintonia com o universo e extraí a energia vital, sabedoria, boa sorte, enfim, tudo o que precisava para transformar o veneno em remédio! Foram tempos muito sofridos, depois de um ano fiz a reconstrução da mama e hoje faço exames a cada ano, e isso será por toda vida!
Peço à você, por favor que compartilhe: Cuide-se!
Que cada mãe oriente suas filhas, pois as minhas fazem controle anualmente! É preciso que haja uma corrente, sempre de mulheres falando e cobrando outras sobre a importância do auto exame e exames de imagem como: mamografia, ultrassonografia, ressonância magnética mamária e outros exames que o médico pedir!
Não se deve deixar para depois, pois o depois pode ser tarde demais, foi o caso de minha irmã, que teve uma sobrevida de cinco anos, depois teve metástase no fígado e faleceu. Não descobriu em tempo pois já tinha outros problemas de saúde e não se deu conta. Qualquer matéria sobre este assunto, eu procuro ler e estar atenta! O meu desejo mais forte é que seja descoberta a cura definitiva para o câncer, ou que deixasse de existir essa doença! Mas enquanto isso, como ato de amor à si mesma e às mulheres da sua vida, propague e faça o auto exame! Beijos enorme à todas e boa sorte!   

 

  E também no mês da conscientização do câncer de mama, nada melhor do que relembrar as histórias de algumas celebridades que já enfrentaram e superaram a doença. Elas ensinam que é importante manter a esperança e sempre fazer o autoexame.

Outubro rosa

Patrícia Pillar: em 2002, Patrícia Pillar tornou público o seu câncer, um tipo raro chamado de Doença de Paget. Em uma nota à imprensa, sua assessoria anunciou que ela havia passado para a retirada do tumor e que passaria por sessões de quimioterapia. Patrícia fez questão de falar sobre o assunto publicamente e explicou que seu tipo de câncer parecia mais uma dermatite na auréola do seio.

“Eu tive uma forma rara de câncer de mama, que está no exterior da mama, no mamilo ou auréola, surge como um vermelhão que depois se torna uma lesão com bordas crustosas. Eu nunca teria suspeitado que seria um câncer de mama, mas era. Se o meu médico cuidasse do meu rapidamente ao invés de ir tratando como dermatite, talvez pudessem salvar minha mama e a doença não iria para meus nódulos linfáticos. Esta mensagem deve ser levada à sério e repassada para tantas amigas quanto possível. Pode salvar a vida de alguém. Meu câncer de mama se espalhou e houve metástase para meus ossos, isso depois de receber mega doses de quimioterapia, 28 tratamentos de radioterapia e tomar Tomoxipan. Talvez se eu soubesse dessa doença anteriormente, ela não teria se espalhado”.

 
Foto: Luiz Armando Vaz/Agência RBS


Elba Ramalho: em 2010, com 59 anos, a cantora descobriu que estava com um nódulo no seio. Elba passou por uma cirurgia e depois, por sessões de radioterapia, sem ter de se submeter à quimio. Em uma nota divulgada à imprensa, ela contou que o câncer era de origem hormonal. Elba conseguiu manter sua agenda de shows na época, sem cancelar nenhum evento.

 
Foto: Gshow/Divulgação

Joana Fomm: a atriz descobriu o câncer de mama em 2007, e ficou cinco anos afastada do trabalho por causa da doença. Apesar de nunca ter se submetido a quimioterapia, Joana precisou fazer cinco mastectomias para corrigir os seios.

“Quando descobri o câncer fiquei pirada da cabeça. Mas, quando soube que não era ofensivo, passou esse pavor e eu consegui conviver. Nunca fiz quimioterapia, apenas tomei um remédio durante cinco anos, mas tive que fazer mastectomia e foi um bode porque fiquei sem seio, mas já estou consertando”, declarou a atriz à revista Época.

 
Foto: Marcos Pinto/Divulgação

Antonia Frering:
 diagnosticada com câncer de mama em 2011, a atriz ainda se recuperava da doença quando atuou na novela Salve Jorge. Fez mastectomia, passou por sessões de quimioterapia e viu seus cabelos caírem.

“Fiquei careca mesmo, caiu tudo na segunda sessão de quimioterapia. Aí, fui com minha filha raspar. Ela foi minha fiel escudeira. Não contei para ninguém mais, porque queria passar por isso com dignidade e discrição”.

 
Foto: Henry-Jean Servat/Divulgação

Brigitte Bardot:
 a atriz francesa do cinema descobriu que tinha a doença em 1983. Inicialmente, se recusou a fazer o tratamento por que acreditava que este era seu destino. Os amigos próximos tiveram que convencer a atriz a se tratar.